Peruas esportivas: as estrelas de cinco portas das estradas

AUDI S4 AVANT 2002                           AUDI RS4 AVANT 2002                          AUDI RS2 AVANT 1994                                                                       Modelos RS2, S4 e RS4 com preparação caprichada para chegar nos 600 cavalos

Les Bidrawn//New York Times Syndicate- texto e fotos

Por que frango frito é tão gostoso? Por que as mulheres de desesperam com o assento do sanitário levantado? Por que os Audi Avants não são populares nos Estados Unidos?
Considero que as questões acima sejam grandes mistérios. Enquanto as duas primeiras não me tiram o sono, a questão do Avant é de enlouquecer. Aqui está um carro que tem tudo a seu favor: desempenho extraordinário, linhas sensuais e espaço para um monte de coisas divertidas.
Ainda que a lógica ditasse uma receita de sucesso, o mercado automotivo americano nem sempre se guia pela razão. A verdade é que as peruas Audi (as Avants) não vendem bem nos Estados Unidos nem que a vaca tussa. Nós achamos isso uma tremenda pena. O lado bom é que as Avants são um tanto raras, um fato que as torna ainda mais desejáveis aos apaixonados por carros. Nosso trio combina desempenho fantástico com estilo singular, uma fórmula vencedora em nossa concepção.
AUDI S4 AVANT 2002

Quando Tony Little, proprietário desse clone do RS4 na cor Amarelo Velocidade, não está gerenciando a estrutura de informática da GMG, ele está pedalando sua bicicleta. Embora Tony se considere um “ciclista semiprofissional”, seu Audi é algo que o finado piloto profissional Hans Stuck ficaria feliz em acelerar.
Quando os S4 dormem, eles sonham em ser um RS4. Esse carro teve seu pedido realizado com a conversão de fábrica da carroceria toda em aço do RS4. A Audi acaba de anunciar que encerrou a produção dessas peças, então o preço desses painéis certamente subirá.
A GMG equipou esse carro com seu programa de tuning World Challenge (WC). Usando tecnologias aprovadas durante a longa experiência da GMG nas pistas, ele mistura vários elementos de alto desempenho na receita.

O motor inclui o sistema “Big Turbo” da AWE incrementado com software GIAC e o sistema de escape esportivo WC da GMG. Ele deixa os chassis de 1.530 kg com torque de sobra em baixas rotações – em 2100 rpm, há uns 66,3 mkgf de força. É difícil acreditar que tudo isso venha de um V6 com meros 2.7 litros. Como a maioria dos carros equipados com a tração integral quattro, esse Avant se agacha ligeiramente enquanto todas as rodas disputam a tração.
Em torno de 6400 rpm, ele tende a ficar sem fôlego, mas basta subir a marcha para levá-lo de volta para sua faixa de potência altamente divertida. Para garantir que toda essa força seja distribuída adequadamente, o Avant foi equipado com uma embreagem Sachs Motorsport e um novo diferencial central Stasis. A GMG adicionou sua roda volante em alumínio leve com mancais da transmissão de densidade 034 e um kit com alavanca de engate rápido JHM.
Outra faceta do programa WC da GMG trata da suspensão, uma área na qual a GMG tem tido grande sucesso. O conjunto inclui amortecedores Ohlins Motorsport, molas Eibach ERS e barras estabilizadoras H-Sport. As rodas BBS são forjadas em magnésio, assim como nos S4 do Champion Motorsport World Challenge, e a GMG ajustou o Audi para curvas e fez um alinhamento preciso. O carro resultante é uma fantástica mistura de firmeza e obediência excelente para o desempenho do dia a dia. Acrescente a força de frenagem dos enormes freios Stoptech e você tem muito mais carro do que o RS4 um dia já foi.
AUDI RS4 AVANT 2002

Se a comunidade de praticantes de snowboard um dia escolherem um padroeiro, é possível que ele seja Todd Richards. Como membro da primeira geração, ele foi um grande responsável pela popularização do esporte. Entre os cuidados com sua marca de snowboard, a O-Matic, você vai encontrar Richards encabeçando os X-Games, Jogos Olímpicos de Inverno e outras competições de snowboard com entusiasmo irrestrito.

Nós já mencionamos que o cara também é um fanático por Audi? Poderia ser dito que isso é simplesmente uma consequência de morar no nevado estado de Colorado durante metade do ano, um lugar onde carros com tração integral são de fato necessários. Mas alguém
Fonte: Auto Esporte