Primeiros dias do Salão de Tóquio atraem pouco público

                                             Evento japonês ficou sem as ´tradicionais´ filas e corredores estão vazios.
´A maioria dos carros a gente já vê nas ruas. Esperava mais´, diz brasileiro.

Ewerthon Tobace
Especial para o G1, de Tóquio

As poucas novidades, a ausência de fabricantes estrangeiras e o espaço reduzido refletiram também na presença de público este ano no Salão de Tóquio. O evento abriu as portas aos visitantes no sábado (dia 24) e, até o último domingo (25), segundo os organizadores, 126.400 pessoas (62.200 no sábado e 64.200 no domingo) passaram pelo local. No evento anterior, a média de público por dia foi acima dos 100 mil, e totalizou 1,4 milhões de visitantes nos 17 dias de feira.

Este ano, além da menor presença de montadoras – são 13 no total, sendo três estrangeiras, contra 35 em 2007, quando 26 estrangeiras participaram –, o espaço é bem menor. São 54 mil m2 contra 211 mil m2 usados em 2007. O visitante também verá menos carros expostos: são apenas 261 contra 542 do evento anterior. Só o valor do ingresso não mudou: 1.300 ienes (aproximadamente US$ 14).

O resultado: um evento mais “vazio” e sem longas filas, comuns na edição anterior, que o G1 também esteve presente. “Vim para ver os carros esportivos, mas não tinha quase nenhum”, reclamou o japonês Hirami Taiju, 30 anos, que visitou o salão pela primeira vez.

Já Naoki Ishizuka, de 28 anos, saiu “frustrado” da feira. “Poucos carros e quase nenhuma novidade, pelo menos para nós japoneses”, criticou. “É triste ver o Tokyo Motor Show assim”, lamentou.

Entre os poucos brasileiros que o G1 conseguiu localizar nos primeiros dias de feira, estava a família Yoshida, da província de Gunma. “Só viemos porque nossa filha está trabalhando num estande”, confessou a mãe Kimie.

O paranaense Ivan Nozaki, 33, também esteve pela primeira vez no salão. “Achei bacana as instalações, mas senti falta das marcas estrangeiras e dos carros-conceitos”, comentou. O colega Ricardo Maeyama, 32, também disse não ter visto muita novidade. “A maioria dos carros a gente já vê nas ruas. Esperava mais da feira”, disse.

Fonte: G1 Globo Online