Produção de automóveis na Europa cai 17,3% em 2009


Redação

A Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA, em inglês) divulgou nesta quinta-feira (11) os números da produção de 2009. As montadoras produziram no ano passado 15,2 milhões de veículos, 17,3% menos do que em 2008 e 23% menos do que em 2007, último ano antes da crise. O índice é o mais baixo desde 1996. Assim como no Brasil, a crise foi ainda mais forte no setor de caminhões, que registrou uma queda de 64%, a mais baixa da história da associação.

A queda foi provocada pelo reajuste da produção das montadoras, cujos estoques já estavam acima do limite. Contudo, graças a incentivos fiscais de alguns países da União Europeia, houve um aumento na produção no último trimestre de 22,8% em relação ao mesmo período de 2008.

A Alemanha continua como o maior fabricante, com 5,2 milhões de unidades produzidas, à frente de Espanha, França e Grã-Bretanha. A maioria dos países da associação registraram queda na produção, exceto a República Checa (aumento de 3%) e a Eslovênia (aumento de 7,5 %).

Menos é mais – O segmento de carros compactos cresceu, aumentando sua participação no mercado de 38,8% para 45%. Graças aos impostos menores e outros incentivos, a venda de carros que emitem menos de 120 g/km de CO2 subiu 59%, o maior aumento de todos os tempos. Nesta categoria foram fabricados 3,2 milhões de carros, 1,2 milhão a mais do que em 2008.

Já o motor diesel perdeu participação no mercado europeu, caindo de 52,7% em 2008 para 45,9% em 2009. A cilindrada média dos motores diesel também caiu, chegando a 1.625 cm³, menor deslocamento desde 1991.

Futurologia – Sem citar números, a associação prevê mais queda em 2010, ano que considera ‘desafiador, pois a indústria ainda não se recuperou totalmente’. No segmento de veículos comerciais, que teve queda de 32%, a previsão é que o setor fique estagnado, não tendo alterações significativas.

Fonte: I Carros