Renault pagou 250 mil euros por denúncia sobre espionagem chinesa


A Renault pagou uma recompensa de 250 mil euros (aproximadamente R$ 575 mil) ao autor da denúncia sobre um suposto caso de espionagem envolvendo executivos do grupo francês e indústrias chinesas.
A revelação é um capítulo a mais na novela criada em torno do caso, até agora não comprovado, que provocou a demissão de três altos funcionários da Renault.

De acordo com Patrick Pelata, CEO da Renault, a empresa pode ter sido induzida a um erro pelo denunciante. Em suas declarações sobre o caso, Pelata tem procurado colocar a fabricante francesa na posição de vítima, independentemente da existência ou não da espionagem a favor da China.

Os três executivos demitidos pela Renault foram Michel Balthazard, vice-presidente de engenharia avançada, Bertrand Rochette, seu subordinado imediato e Matthieu Tenenbaum, diretor do programa de veículos elétricos. Os três negam as acusações. A identidade do denunciante que recebeu os 250 mil euros da empresa é mantida em segredo, conhecida apenas por dois gerentes da área de segurança que se recusam a revelar o nome do acusador, inclusive para a polícia. As autoridades policiais, até o momento, não conseguiram comprovar a culpa de nenhum dos denunciados e já descobriram que os números de contas na Suíça e Liechtenstein supostamente usados para que eles recebessem pagamento dos chineses não existem.

O governo francês se manifestou contrariado com a atitude da Renault que, antes de informar as autoridades sobre o possível caso de espionagem, que causou um mal estar diplomático com a China, preferiu investigar as denúncias por conta própria, aparentemente com resultados errôneos.

JM

Fonte: Auto Estrada