Renault vive indefinição e Ghosn é pressionado

O principal executivo da Renault, Carlos Ghosn, precisa de um novo sucesso de vendas para recuperar as ações de pior desempenho entre as montadoras européias e defender a sua reputação. Ele pode não conseguir isso ao apresentar o novo Mégane compacto remodelado no Salão do Automóvel de Paris esta semana. Ghosn vai apresentar o carro em um momento em que modelos-chave estão perdendo terreno para Volkswagen, Peugeot e Fiat. Para manter as vendas em crescimento, a empresa vem confiando no sedã Logan, de baixo custo, nas economias emergentes, onde as vendas começam a desacelerar, como resultado da crise financeira. “A maré está se voltando contra eles agora”, disse Stuart Pearson, analista do Crédit Suisse em Londres, que na terça-feira, 30, rebaixou sua classificação da Renault de “desempenho superior à média do mercado” para “desempenho inferior à média do mercado”. “Os mercados internacionais, que eram a força da Renault, estão se tornando o seu calcanhar-de-aquiles e o novo Mégane não vei ser o suficiente para cumprir as metas do ano que vem.” (Valor Econômico)

Fonte: Boletim Autodata