Rhodia vai exportar 25% da sua produção brasileira

 Para a empresa, aplicação de plásticos de engenharia nos veículos vai crescer
PAULO RICARDO BRAGA, AB
Com uma política agressiva para reviver os melhores momentos de seus programas de exportação, a Rhodia, do Grupo Solvay, vai destinar este ano 25% da sua produção local de plásticos a países como Estados Unidos, México, Colômbia e Argentina. Marcos Curti, diretor de plásticos de engenharia para as Américas, comemora: “Esse bom resultado não está relacionado diretamente à desvalorização do real, como se poderia supor, mas sim a um esforço nos últimos três anos para ampliar a base de clientes no exterior e também à venda de novas aplicações”. Até recentemente a participação das vendas externas na receita da empresa mal passava dos 10%, por efeito de uma combinação de fatores que determinaram a perda de competitividade, como o aumento no preço de insumos. Embora a retração no mercado interno afete a receita da Solvay, que obteve € 1 bilhão em vendas líquidas no País em 2014, mobilizando oito unidades industriais e 2,9 mil empregados, o clima é de confiança na Rhodia, responsável pela polimerização de plásticos de engenharia poliamidas, também conhecidas como nylon para aplicações na indústria, especialmente no setor automotivo. “A crise também trouxe oportunidades, levando ao desenvolvimento de aplicações de poliamidas nos veículos tendo em vista a redução de peso, maior eficiência energética e mudanças estéticas proporcionadas pela facilidade de moldagem das resinas”, diz Curti. Em muitas situações a escolha do plástico de engenharia em autopeças é evidente, como no caso de um coletor de admissão, que pesa apenas 1,5 kg se for fabricado com resina. Um similar de metal pesaria 10,5 kg, sete vezes mais. Reduções importantes de peso e facilidade de conformação também ocorrem na injeção de tampas de comandos de válvulas, coberturas de correias, elementos de filtros e coxins. PARTICIPAÇÃO A Rhodia, sediada em São Bernardo do Campo SP, fornece matéria-prima na forma de granulados de poliamida formulados em uma centena de combinações prontas para injeção. O principal cliente na indústria automobilística são as autopeças que, juntamente com as montadoras, recorrem ao centro de pesquisa e inovação da empresa para o desenvolvimento de aplicações. “É indispensável oferecer esse tipo de suporte”, esclarece Curti, que conta com o auxílio também dos centros tecnológicos da corporação existentes na França, Coreia, Alemanha e China. Curti estima que os veículos brasileiros absorvem 100 kg a 150 kg de plásticos de diferentes formulações, incluindo peças como para-choques, para-lamas e painel. Desse total, 8 kg a 10 kg correspondem a poliamidas, família de resinas conhecida pelas boas propriedades físicas e químicas, como resistência ao calor. Ele avalia também que dentro de cinco anos o conteúdo de plásticos de engenharia pode avançar para 15 kg por veículo. “Há modelos atuais das marcas premium no exterior que já contabilizam 20 kg de poliamidas, enquanto modelos asiáticos ainda demonstram resistência à substituição dos metais por plásticos”, afirmou. Redução de peso e maior eficiência energética, estimuladas pelo Inovar-Auto, programa de incentivo ao desenvolvimento dos veículos brasileiros, devem também favorecer o consumo local de mais plásticos de engenharia, no entender de Curti. “O efeito seria ainda maior se tivéssemos por aqui uma legislação de emissões tão restritiva como a europeia ou norte-americana”, avalia. TRÊS CICLOS As aplicações de plásticos de engenharia nos veículos evoluíram bastante com a história da indústria automobilística brasileira. No início as peças passaram a substituir o metal em aplicações que exigiam apenas boa aparência, acabamento e funcionalidade, como retrovisores, calotas e maçanetas. Em uma segunda etapa as poliamidas ganharam espaço sob o capô dos veículos. Havia a garantia de substituir os metais com vantagem no peso e bons res
Fonte: Automotive Business