Salão do Automóvel de NY aposta no carro elétrico

Atrações são o Volt, o luxuoso Cadillac Converj e o PUMA.
Setor automobilístico busca alternativas para sair do buraco.

Do G1, com informações do Jornal da Globo

O Salão do Automóvel de Nova York está apresentando ao mundo as apostas das gigantes para sair do buraco. E, ignorado por muitos anos, em nome de veículos possantes e beberrões, o carro elétrico virou prioridade das montadoras americanas.

Ameaçada de falência, a indústria automobilística aposta tudo no carro movido à eletricidade. A ênfase no elétrico parece penitência por parte de um setor que apostou no alto consumo de gasolina, ignorando o meio ambiente, e agora procura se redimir.

Volt

Um dos destaques da feira é o Volt, que a GM promete começar a vender no ano que vem, isso se não entrar em concordata antes.

O carro usa uma bateria de lítio, e é diferente dos atuais carros híbridos. O motor à gasolina só é acionado depois de 64 km rodados.

O representante da GM conta que uma pesquisa mostrou que 75% dos americanos dirigem menos do que 36 km por dia. Para andar mais que isso, o motor à gasolina recarrega a bateria.

Cadillac

E o Volt já tem até uma versão de luxo, também elétrico: é o Cadillac Converj. Ele tem a frente tradicional de um Cadillac, encaixada no que parece um carro esporte.

Se um dia for produzido comercialmente, vai custar em torno de US$ 100 mil.

Porém, tal como o volt, ninguém pode entrar nem sequer tocar no Converj, pois muitos protótipos são peças únicas, feitas à mão e não funcionam.

PUMA

Outro grande destaque da feira é mais um carro elétrico que mal parece um automóvel. O PUMA é um projeto da GM com a Segway, fabricante de um transportador pessoal que já é usado no brasil.

O carrinho tem dois motores elétricos. Para avançar ou recuar basta empurrar o volante para frente ou para trás. O veículo gira 360° sobre as duas rodas. A velocidade máxima é de 57 km/h e a sensação é a de estar num parque de diversões, pois o carro parece um brinquedo.

O PUMA é um veículo para ser usado em bairros, porque a velocidade é muito baixa. Mas dá para recarregar a bateria na tomada de casa. A carga dura 57 km, ou seja, uma hora na velocidade máxima.

Um vídeo mostra a visão do futuro idealizada por GM e Segway: os carros serão equipados com sensores, e haverá comunicação para evitar acidentes: uma espécie de piloto automático. Os passageiros nem precisarão dirigir os veículos.

Fonte: G1 Globo Online