Seat adia entrada na China


Congelamento de intenção pode ser definitivo; Seat passa por reestruturação

Prevista para chegar à China como opção de marca mais jovem, a Seat não deverá atuar no país oriental tão cedo. A companhia espanhola anunciou o adiamento do início de suas operações naquele mercado, prevista para os próximos meses. O congelamento nas intenções não teve tempo determinado e pode ser considerado até mesmo como definitivo.

O principal motivo para a desistência da cúpula da Seat seria a falta de fábricas para produzir veículos naquele país. A Volkswagen já havia considerado criar novas joint-ventures, como as que mantém com FAW e Shanghai Motor. No entanto, optou-se por dar prioridade à marca alemã e à tcheca Skoda. Outra justificativa seria o novo plano estratégico da empresa espanhola, que será crucial para determinar se ela continuará operando ou se será fechada em cinco anos.

Sem poder entrar em mercados mais importantes, como o chinês, a Seat trabalhará em sua imagem a partir de agora. Por isso, deverá focar nos projetos de veículos destinados à Europa, como o hatch médio León e uma nova gama de modelos de maior porte. A espanhola também terá de retrabalhar o posicionamento de seus modelos, como é o caso do Ibiza. Em alguns mercados, ele compete muito próximo do VW Polo, tendo apenas como diferencial o estilo mais dinâmico. No entanto, como este é um aspecto subjetivo, o hatch alemão tem mais predicados como acabamento, confiabilidade da marca e nível de equipamentos.

A tarefa da diretoria da marca será árdua daqui pra frente e entrar na China será uma questão de tempo. Ou de sobrevivência.

Texto: Matheus Q. Pera

Fonte: Auto Diário