Sem acordo com sindicatos, Fiat pode abandonar Chrysler

Foi uma surpresa: o CEO da Fiat, Sergio Marchionne, disse que está pronto para abandonar os planos para estabelecer uma aliança com a Chrysler se os sindicatos norte-americanos se recusarem a aceitar uma substancial redução de custos trabalhistas até o final do mês. Ele confirmou a um jornal canadense, no entanto, que pode tornar-se CEO da aliança se os entendimentos chegarem a bom termo. O comando da aliança deve ser dividido por ele com um executivo norte-americano.

O executivo desmentiu o interesse da empresa sobre a marca Saturn, da GM, como uma alternativa se a aliança com a Chrysler falhar. “As chances de sucesso são de 50%” – calculou.

As conversações da Fiat e da Chrysler com os sindicatos trabalhistas e detentores de títulos da montadora norte-americana são fundamentais para a apresentação de um novo plano de reestruturação ao governo até 30 de abril. Caso a aliança entre as duas montadoras tenha um final feliz e o programa seja aprovado, haverá um empréstimo adicional do Tesouro de US$ 6 bilhões. A Chrysler já recebeu US$ 4 bilhões, além de C$ 1 bilhão do governo canadense.

Fonte: Automotive News.
Fonte: Automotive Business