Setor agrícola puxará vendas de caminhões

Montadoras controlam a produção, mas segmento começa a reagir.
Exportação continua a ser o ´calcanhar de Aquiles´ em meio à crise.

Priscila Dal Poggetto
Do G1, em São Paulo

Corte de vagas temporárias, programa de demissão voluntária e férias coletivas marcaram o início do ano para o segmento de caminhões no Brasil. Embora, as medidas tenham sido adotadas pelas montadoras para adequar as linhas de produção ao novo ritmo do mercado – que chegou a mais de 18 mil unidades produzidas em outubro de 2008 e caiu para 5.958 unidades em dezembro – o setor deverá prosperar este ano, com foco nas vendas do mercado interno.

Estímulos não faltam: o setor agrícola – que demanda metade da produção nacional de caminhões – está com perspectivas positivas para este ano, o governo reduziu em 5% o IPI sobre veículos pesados e o BNDES deixou mais vantajosa a linha de crédito Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos), já que o valor total do veículo pode ser parcelado.

“Vemos um cenário de redução de 10% a 15% das vendas totais de caminhões em relação a 2008, que teve crescimento muito forte. Entretanto, esperamos um resultado 15% superior ao de 2007, o que é considerável. Isso vai depender da evolução da agricultura”, afirma o diretor comercial da Iveco (Fiat), Alcides Cavalcanti.

Segundo ele, a sinalização do setor agrícola é positiva porque os exportadores de grãos garantiram os clientes no exterior com bons preços e câmbio favorável. “E o setor de caminhões ganha vantagem, já que os veículos são utilizados para transporte de fertilizantes, grãos, de produtos das cooperativas para os portos etc.”, explica o executivo.

Preocupação está nas exportações

Com a crise financeira internacional, o ´calcanhar de Aquiles´ das fabricantes de caminhões são as exportações. Para se ter uma idéia, em janeiro de 2008 o Brasil vendeu no mercado externo 1.952 caminhões e, em dezembro, 1.388 unidades. Quando comparado com as vendas externas de janeiro deste ano, de 777 unidades, a queda chega a 44% e 60,2%, respectivamente.

De acordo com o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Jackson Schneider, a “forte queda” afeta diretamente as exportações em valores, já que o retorno financeiro de uma unidade de caminhão é bem maior que o de uma unidade de automóvel, por exemplo.

Fevereiro

Tradicionalmente, as vendas de caminhões no final do ano é menor porque o período é de pouca carga transportada. Porém, os efeitos da sazonalidade foram agravados pela crise internacional, o que forçou as montadoras a reajustarem a produção.

A Scania, por exemplo, adotou para o mês de fevereiro paradas totais na produção às segundas-feiras, que são confirmadas com uma semana de antecedência. A última segunda-feira de fevereiro e outras eventuais paradas ainda não foram confirmadas. Segundo a empresa, as horas não trabalhadas serão compensadas em um momento “futuro”.

Já a Mercedes-Benz, maior fabricante de caminhões e ônibus do país, dará férias coletivas a cerca de 7 mil funcionários da fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, entre os dias 23 de fevereiro e 4 de março. No mesmo período, ficarão em casa também os 3,5 mil trabalhadores da Volkswagen Caminhões, em Resende (RJ).

Na Iveco, em Sete Lagoas (MG), parte dos 1,8 mil funcionários da produção entrou em férias no dia 2. A Volvo do Brasil, instalada na Cidade Industrial de Curitiba, concedeu nesta sexta-feira (20) férias coletivas para cerca de 700 trabalhadores do setor de caminhões pesados. Outras cerca de 400 pessoas que fabricam caminhões leves já estão em férias e retornam ao trabalho no dia 9 de março.

No entanto, a perspectiva é de melhora em fevereiro, já que o mercado começou a retomar a força em janeiro, quando foram vendidas 6.669 unidades de caminhões no atacado, crescimento de 8,7% sobre dezembro de 2008.

Na opinião do diretor comercial da Iveco, o que impulsionará as vendas em fevereiro é a redução do IPI, já que muitas em
Fonte: G1 Globo Online