Taxa para financiamentos recuou para 18,16% ao ano


Estudo da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras mostra que o saldo das carteiras de crédito direto ao consumidor e leasing cresceu 12,8% em abril deste ano sobre o mesmo mês do ano passado, para R$ 163,9 bilhões. O montante representa 33,3% do total de crédito destinado a pessoas físicas no Brasil e 5% do PIB.

Isoladamente, o saldo de CDC teve expansão de 29,3%, saltando de R$ 81,2 bilhões para R$ 105 bilhões. No mesmo período, a carteira de leasing teve retração de 8,2%, saindo de R$ 64,1 bilhões para R$ 58,9 bilhões.

“O momento atual é favorável para o consumidor financiar um automóvel. Temos expectativa este ano para uma elevação entre 10% e 15% nas carteiras de CDC e leasing em comparação com 2009, atingindo valores entre R$ 173 bilhões e R$ 180 bilhões”, projeta Décio Carbonari de Almeida, presidente da Anef.

O estudo da entidade também aponta que a inadimplência acima de 90 dias para as operações de CDC está em queda. Em abril, o índice ficou em 3,9%, contra 5,2% em comparação ao mesmo mês do ano passado. “A taxa da inadimplência já atingiu o patamar em que estava no período pré-crise e a tendência é que siga em queda”, avalia Almeida.

A taxa média de juros praticada pelas associadas à Anef, que fechou abril de 2009 em 1,59% ao mês (20,84% ao ano), recuou e atingiu em abril deste ano 1,40% ao mês (18,16% ao ano), ainda sem refletir o aumento da Selic que ocorreu em meados do mês de maio. Em comparação a março de 2010, a taxa se mantém estável.

Os planos médios de financiamento, em abril, ficaram em 43 meses contra 40 meses do mesmo mês do ano anterior. Em relação ao mês de março de 2010, os planos médios também se mantêm estáveis.

Fonte: Automotive Business