Teste: Peugeot 208 GT – Sedução é a solução

  Novo 208 GT cumpre a função de “objeto do desejo” do hatch compacto da PeugeotPor Luiz Humberto Monteiro PereiraAuto Press Na apresentação da linha 2017 do novo Peugeot 208, os territórios foram claramente demarcados. Do modelo de entrada Puretech 1.2, espera-se que cumpra a tarefa de ser o carro-chefe de vendas da linha. Já do  GT, ninguém almeja vendagens muito expressivas. Sua tarefa é mais instigar a “volúpia esportiva” dos consumidores – mesmo que, na maioria das vezes, eles acabem levando para casa as versões mais acessíveis do hatch compacto. Mas nem só de “função aspiracional” vive um automóvel. Para brigar no segmento dos hatches compactos premium, o 208 GT – que a Peugeot gosta de chamar de “hot hatch” – tem lá seus atributos. O principal deles é o motor flex turbo THP de 173 cv de potência máxima, importado da fábrica francesa de Trémery, aliado a um câmbio  manual de seis velocidades. Segundo a Peugeot, o trem de força oferece ao compacto uma aceleração de 0 a 100 km/h em apenas 7,6 segundos e velocidade máxima de 220 km/h, com etanol.Por fora, o visual do 208 GT é dinâmico, repleto de detalhes. Entre os mais evidentes estão as rodas de alumínio diamantadas de 17 polegadas com pneus Michelin Pilot
Fonte: UOL Carros / Motor Dream