Toyota terá controle total da Daihatsu por US$ 3 bilhões

  Compra será feita por meio de troca de ações a ser concluída até agostoREDAÇÃO ABA Toyota comprará a participação remanescente da Daihatsu, da qual já detém 51,2% por meio de uma troca de ações avaliada em US$ 3 bilhões e prevista para ser concluída em agosto deste ano. Conforme decisão do conselho de administração de ambas as empresas a Toyota fará a incorporação ao trocar 0,26% de suas ações por cada ação da Daihatsu, que por sua vez será excluída da Bolsa de Valores de Tóquio em 27 de julho. O negócio faz parte da estratégia da montadora em fortalecer sua investida no segmento de carros compactos para mercados emergentes. Pelo acordo, as montadoras vão compartilhar o desenvolvimento e implantação de novas tecnologias desde os estágios iniciais de concepção. A diferenciação entre as marcas será mantida. A Toyota permanecerá focada em tecnologias relacionadas com o meio ambiente, segurança, a experiência do usuário e conforto, enquanto a Daihatsu continuará com o desenvolvimento de tecnologias de baixo custo e de carros com menor consumo. Ambas vão utilizar as bases de operações uma da outra em mercados emergentes e as sinergias de desenvolvimento contribuirão também para reforçar a competitividade de custos de veículos maiores.“Esta é uma oportunidade para as duas empresas refletirem que não temos mais de seguir sozinhos e confiar uns nos outros para tirar pleno proveito dos nossos pontos fortes. Em outras palavras, podemos agora nos concentrar em nossas principais competências. Isso, creio eu, é a chave para alcançar e manter a competitividade global”, declarou o presidente Akio Toyoda. O presidente da Daihatsu, Masanori Mitsui comentou: “Eu acredito que nós temos agora encontrado uma direção em nosso curso que nos permitirá continuar nosso crescimento para os próximos 100 anos. Vemos isso como a oportunidade perfeita para consolidar a nossa relação com a Toyota, e, ao fazê-lo, embarcar em um novo período de crescimento e elevar a marca Daihatsu a um nível global”.
Fonte: Automotive Business