Tradições e invenções: novo X1 encara Q3

 BMW ganha tração dianteira e fica mais parecido com o Q3. Mas isso é bom?Por João Anacleto // Fotos: Christian CastanhoTornar os carros mais eficientes para você e baratos de se construir. Esse é o ponto de equilíbrio que toda fabricante persegue. Mas isso é tão difícil quanto colocar uma montanha-russa em formato de roda-gigante. Sempre os custos vêm antes do bônus que estava separado para você.Mas com o X1 a BMW resvalou nesse equilíbrio. Sim, ele está mais eficiente do que nunca. Do seu 2.0 turbo agora saem 192 cv, 8 cv a mais do que na geração anterior. O torque subiu de 27,5 para 28,5 mkgf, e o consumo na cidade saltou dos 7,9 km/l para 10,3 km/l. Some a isso o fato de haver muito mais espaço, e de o porta-malas ter ganho 85 litros. Bingo! A BMW tem o SUV que você sempre quis, certo?Antes de responder fomos para a rua com essa nova geração, de tração dianteira e plataforma derivada dos Mini, decerto mais barata de se fazer que a tradicional de tração traseira, na base de um BMW de nascimento.No papel, o X1 sDrive20i X-Line de R$ 179.950 está mais próximo do Q3, líder de vendas no segmento, com a diferença que o Audi, nessa configuração 2.0 Ambiente, de 180 cv vem com tração integral e sai por R$ 176.990. O be-eme também ficou mais alto 5,3 cm, largo 2,3 cm e curto -1,5 cm. Assim como o… Q3. Mas transformar um SUV ímpar em algo próximo do que já existe é bom para um produto?
Fonte: CarDriver