Veículos usados custam quase 5% menos neste ano

                                             Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

Com facilidades oferecidas pelas montadoras e concessionárias de marca para os consumidores comprarem carros zero-quilômetro, os preços dos veículos usados acumulam queda de quase 5% (mais precisamente 4,98%) nos primeiros nove meses do ano, segundo dados de levantamento da Autoinforme/Molicar.
A pesquisa mostra que a retração tem sido praticamente constante nos últimos 24 meses. Em setembro, a diminuição foi de apenas 0,36%, mas em agosto tinha sido de 0,92%. O estudo analisa o comportamento de preços de 2.800 automóveis e comerciais leves fabricados entre 2001 e 2009.
No mês, três das quatro grande montadoras, no entanto, tiveram seus carros menos valorizados do que a média. Os da Ford caíram 0,13%, os da Volks, 0,15% e a Fiat, 0,25%.
Na área de novos, os preços de veículos também recuaram em setembro (0,96%), mas no acumulado do ano, o zero ainda está em alta: de 1,72%. Para a Autoinforme, a retração, que se iniciou há três meses, refletiu as promoções das concessionárias para desovar estoques. A taxa cambial colaborou para a redução dos valores dos veículos zero trazidos do Exterior.
TENDÊNCIA – Lojistas independentes da região confirmam o movimento de baixa no valor dos usados, que se iniciou com a crise de crédito, no fim de 2008, e se intensificou com os incentivos tributários para a indústria automotiva. “Tem caído um pouco, pela facilidade de compra do zero, pelo acesso ao crédito”, afirmou Filipe Zampol, dono de uma revenda multimarca.
“Com a crise e a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), perdemos 30% do capital e, como não conseguíamos vender, nos descapitalizamos ainda mais”, afirmou Agnaldo Rosário, que já teve loja por seis anos em shopping de carros e ainda atua no ramo, em parceria com revendas.
No entanto, a expectativa dos revendedores é de aumento na procura no fim do ano. “Com a entrada do 13º salário, a tendência é subir, neste mês e em dezembro”, afirmou o gerente de outra loja, Sebastião Carlos de Souza Neto.
Segundo o vendedor Allan Berzin, para os automóveis de 1999 ou mais antigos, a dificuldade de venda é maior. Enquanto os seminovos (do ano 2000 ou mais recentes) têm taxas de 1,40% de juros, aqueles giram em 1,80% a 2%.
PESQUISA – O gestor de negócios Valmir Fernandes pesquisava na sexta-feira os preços em revendas para trocar seu Corsa 2006 por um modelo mais novo e se queixava: “Para vender o meu carro, as lojas pagam pouco, mas para eu comprar, cobram caro.”

Fonte: Diário do Grande ABC