Venda de carros garantiu acordo com montadoras


Da AE

Os recordes de produção e vendas de veículos no Brasil se transformaram na principal aliada dos metalúrgicos para a conquista do acordo histórico com as montadoras do Grande ABC. Eles conquistaram 6,25% de aumento real mais reposição da inflação (4,29%), recorde para a categoria.
Foram dois meses de negociações tensas e difíceis, em que as empresas resistiram às reivindicações dos sindicalistas. Sob ameaça de greve, porém, tiveram de jogar a toalha.
“É muito pequeno o fôlego que as montadoras têm hoje se a fábrica for à greve”, diz o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Sérgio Nobre. “Basta perder um ou dois dias de produção para o concorrente ocupar o lugar no mercado.” Para ele, prevaleceu o bom senso. Tanto que o acordo foi fechado sem grandes prejuízos. Houve manifestações, paradas de uma ou duas horas, mas nenhuma greve significativa.
Nobre afirma que os ganhos de produtividade permitem o aumento de salários sem pressão nos custos. Em 2003, cada trabalhador produzia 24 carros por ano. Hoje, são 31. “A produtividade cresceu 34% nesse período, bem acima do aumento real dos salários.”

Fonte: Diário do Grande ABC