Volks adianta produção do SpaceFox no Paraná

                                             ESTELITA HASS CARAZZAI
DE CURITIBA

Depois de o governo anunciar barreiras à importação de veículos, a Volkswagen decidiu acelerar mudanças na linha de produção de sua unidade do Paraná.

Essa fábrica vai incorporar a parte final da fabricação do SpaceFox –atualmente importado pela montadora de sua unidade na Argentina.

A mudança já estava prevista, conforme funcionários da empresa, mas foi adiantada depois de o clima no comércio bilateral com o país vizinho piorar.

Na semana passada, o governo suspendeu a emissão automática de licenças de importação de veículos e atingiu principalmente as marcas que vêm da Argentina. Ontem, parte dos veículos que aguardavam liberação na fronteira foi liberada.

Segundo o coordenador da comissão de fábrica da unidade paranaense, Gilson Batista, a intenção de produzir o SpaceFox no local havia sido anunciada internamente há pouco mais de um mês, mas não tinha prazo para ser posta em prática.

Com a mudança, a carcaça do automóvel continuará vindo do país vizinho, mas o processo de pintura e montagem será feito na unidade do Paraná, conforme funcionários da empresa.

Batista diz que já há funcionários na fábrica trabalhando na adaptação da linha de montagem.

Segundo ele, a decisão de trazer o SpaceFox para o Brasil foi motivada por problemas de qualidade na unidade argentina e também pelo aumento na demanda pela picape Amarok, produzida no país vizinho.

Haverá, portanto, uma readequação nas duas unidades. Não há uma estimativa para o início da montagem do SpaceFox no Paraná. Procurada, a Volkswagen informou que não comentaria.

O coordenador da comissão de fábrica disse que a mudança é simples, mas provavelmente demandará a contratação de mais funcionários.

A ampliação do efetivo já estava sendo negociada entre o sindicato e a empresa antes de os funcionários entrarem em greve, há duas semanas.

GREVE

A greve na unidade paranaense, responsável por cerca de 25% da produção da Volkswagen no Brasil, entra hoje no 17º dia. Os trabalhadores querem o aumento da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) proposta pela empresa.

Nos cálculos do sindicato, cerca de 8.900 veículos (modelos Fox, Golf e CrossFox) deixaram de ser produzidos até agora.

Fonte: Folha Online