Volks comemora sucesso do Gol edição Seleção


Paula Cabrera
Do Diário do Grande ABC

Nem a fraca campanha do Brasil na Copa abalou a alegria da Volkwagen. A montadora, que lançou a edição do Gol Seleção para comemorar o torneio, vendeu todas as 3.000 unidades fabricadas do veículo, em tempo recorde. Segundo a empresa, antes da saída do time brasileiro do Mundial, a maioria dos veículos já havia sido vendida, o que deve garantir à companhia faturamento de R$ 100 milhões.

“Essa é uma série limitada, uma edição especial que acabou rapidamente. Há ainda alguns disponíveis, mas em poucas concessionárias”, afirma a assessoria da Volks.

A montadora alemã aponta também que o carro teve venda recorde quando comparada a outras edições especiais de veículos ligados ao torneio de futebol.

No entanto, a companhia preferiu não abusar da sorte. Foram apenas 3.000 carros fabricados, em um ano onde é esperado crescimento de vendas em torno de 8%. Só para se ter ideia, em 2006 foram lançados 16 mil veículos comemorativos por conta do Mundial.

Para o professor do Núcleo de Ciências do Consumo da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) Valdner Tapa, a montadora calculou os riscos antes de apostar na fabricação do modelo, que custa, em média, R$ 33,7 mil. “Toda a decisão que se toma tem vantagens e riscos que precisam ser avaliados. O volume é a melhor maneira de balizar isso”, afirma.

Segundo o professor, pesa também a favor da Volks o conhecimento de causa pela comercialização de edições limitadas ligadas à Copa, que é feita pela empresa desde 1982. “Não é algo novo, uma iniciativa feita pela primeira vez. Existe histórico positivo com essa experiência. Isso aconteceu sem vinculação do sucesso da Seleção. O que se comprova é que o clima que se cria em Copa do Mundo passa a ser atrativo como ferramenta do produto. Daí eles terem tido, pela terceira vez, esse sucesso”, avalia.

NOVIDADE

Diferente de outros modelos vendidos anteriormente, como o Gol Copa em 2006, desta vez a companhia apostou em itens ligados diretamente à Seleção, e pela utilização das cores do uniforme do time canarinho – amarelo e o azul, usado no segundo uniforme – além de itens exclusivos, como emblema da Seleção nos assentos e nas laterais do veículo. Um dos motivos para a mudança é o fato de a empresa ser uma das patrocinadoras oficiais da CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

Fonte: Diário do Grande ABC