Volvo Bus lança sistema de gestão para ônibus urbanos

 ITS4Mobility alia controle para operador e informação em tempo real para usuáriosSUELI REIS, AB | De Goiânia GOApós um longo período de testes, a Volvo Bus apresenta ao mercado brasileiro o ITS4Mobility, Sistema Inteligente de Transporte para a Mobilidade na sigla em inglês que serve de ferramenta de gestão de frota e gerenciamento de tráfego dedicado a ônibus urbanos permitindo o monitoramento em tempo real via telemetria. Desenvolvido em parceria com a Ericsson na América Latina, a tecnologia que já é empregada pela Volvo Bus em outros países, como Suécia, Canadá e África do Sul, foi totalmente customizada para as necessidades da região com as mesmas funcionalidades oferecidas globalmente. No Brasil vem sendo testada e utilizada desde 2009 nas linhas de transporte de passageiros da região metropolitana de Goiânia GO cuja operação é de responsabilidade da Rmtc, Rede Metropolitana de Transportes Coletivos, consórcio formado por cinco empresas. “O ITS4MObility é parte da estratégia de ofertar soluções por meio do Programa de Mobilidade Volvo para gestão de tráfego lançado em 2014 e que faz tudo o que é possível para complementar a operação do ônibus” afirma Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America, durante o lançamento do produto realizado em Goiânia. Segundo o executivo, uma das vantagens do sistema é a customização para qualquer tamanho de frota e seu funcionamento com qualquer tipo de modal. “A implantação pioneira em Goiânia com a Rmtc, que é nosso primeiro parceiro no Brasil e quase coautora do sistema, ajudou a maturar a tecnologia com base nas suas necessidades e a entender a operação, peça fundamental para o desenvolvimento do projeto”, complementa. Embora admita a demora em apresentar a tecnologia, Pimenta explica que o tempo foi necessário para alinhar produto e negócios: “Queríamos ter a maturação do projeto e alcançar a segurança necessária para abrir para vendas aqui na América Latina onde temos a parceria com a Ericsson”, justifica. Apesar do longo tempo de testes e operação do sitema em um único cliente nos últimos seis anos, Pimenta é otimista quanto à expansão da tecnologia nas linhas urbanas do País, apesar de demonstrar certa insegurança com o fator eleições municipais que ocorre em 2016.“Estamos prospectando com dois possíveis clientes, mas eleições podem mais atrapalhar do que ajudar neste momento. O custo, no entanto, depende de diversos fatores, como o tamanho da frota porque é um valor também customizado, depende da cidade, do investimento necessário em infraestrutura e do operador. Lembrando que é um sistema pensado não só para o Brasil, mas para os demais mercados da América Latina.” Já o modelo de negócio, o executivo aponta que é totalmente conjunto: “A Volvo tem a interface do cliente, que é nossa contribuição dentro do negócio. A Ericsson será responsável pela implementação, suporte e manutenção, mas todas as tratativas e negociações são feitas em conjunto, pelas duas”, explica. Segundo o vice-presidente de Indústria e Sociedade da Ericsson para a América Latina, Jo Arne Lindstad, até 2020, a transformação da indústria gerará algo em torno de US$ 2 trilhões em valor agregado. “E o setor de transporte é o que mais vai criar as oportunidades para este volume de valor agregado”, afirma . “Sistemas de transporte inteligente são complexos, pois demandam a integração das tecnologias da informação e comunicação com a infraestrutura de transporte existente, as frotas de veículos e os passageiros em si. Esse acordo é uma evidência da liderança da Ericsson nesse setor, além de um exemplo da transformação positiva que acontece agora no setor de transporte que também ruma em direção à sociedade conectada.”Ele cita um estudo feito recentemente pela divisão Ericsson ConsumerLab no Brasil que mostra que os usuários do transporte público querem informações mais atualizadas e interativas sobre o seu trajeto. A pesquisa mostra u
Fonte: Automotive Business